segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Vovô Fifi

Outro dia ouvi dizer que toda carta chega a seu destinatário, basta que seja escrita. Por isso, estou escrevendo esta carta, para avisar que a minha dor e meu amor, de mão dadas, atravessaram o oceano pra estar com você nestes últimos dias.

Para dizer que, a partir de hoje, eu não acredito mais que as pessoas morram, porque sei que, em mim, você vai continuar muito vivo. Em mim e, tenho certeza, em todas as pessoas que tiveram a alegria de poder conviver com você nestes 95 anos tão bem vividos. Em mim e em cada um dos seus 12 filhos, 30 netos e 13 bisnetos (até agora).

Continua viva a lição de que doce de leite não vem na porta de casa (que foi o seu jeito de ensinar à minha mãe que quando a esmola é demais, o santo desconfia e que ela me ensinou com as suas palavras). Continua viva a sua expresão de encantamento e alegria quando via o mar, que você amava tanto, apesar de tê-lo conhecido quando já era adulto há muito.

Continuam vivas as caixas de bombom Garoto que você nos dava em nossos aniversários e as palhas de milho que usava para fazer seus cigarros. Continua viva a barba por fazer que esfregava em nossas bochechas e a mão que (há tanto tempo) costumávamos beijar para pedir a benção. Continua viva sua mania de guardar os jornais dos dias super importantes, o que me deu (e ao Dudu também) uma fama considerável quando, na quarta série, levamos ao colégio a edição original do jornal que anunciou a morte de Getúlio Vargas.

Certeza: continua viva essa braveza, ah, a braveza de todos os Ribeiro. Um "aborrecimento" sem tamanho e que, apesar de tudo, nunca diminuiu, em nada, o amor que sentimos pelo senhor. Continua viva essa disposição para o trabalho, para não fugir da raia, para encarar os desafios de todos os dias com dignidade e cabeça sempre erguida.

Continua vivo o último conselho que me deu, com um puxão de orelhas: quando a gente casa, a saia tem que ficar mais comprida, viu?

Continua vivo o orgulho de ter um avô que, depois de uma vida inteira, inventou que queria ser diferente, e se permitiu aprender a dançar. Que se permitiu seguir dançando, mesmo quando já não ouvia as músicas, pelo simples fato de que a vida é mais feliz quando a gente dança. Fica a lembrança do seu aniversário, quando eu, Aninha e Paty decidimos ir na festinha que teria no Clube da Maturidade, e tivemos que enfrentar os olhares desconfiados de suas parceiras de dança.

Continua viva a alegria de ter um avô que nunca perdeu a capacidade de se encantar com os lugares (novos e velhos) e que adorava arrumar sua malinha e viajar, para onde quer que fosse. De um avô que, ao se surpreender com a possibilidade de conversar com o Dudu, do outro lado do mundo, pelo computador, começou a chorar e a acariciar a tela.

De um avô que, como não ouvia, acabava falando mais alto do que deveria no meio da missa. De um avô que amava ser visitado e que, de uns tempos pra cá, passou a aceitar qualquer beijo estalado, fechando os olhos e agradecendo sempre: obrigado, obrigado.

E, quando eu fecho os olhos, lembro do dia da novena, em que, comigo, mamãe e tia Izildinha, você, que não estava ouvindo uma só palavra do que dizíamos, levantou as mãozinhas e começou a cantar: "Em nome do pai, em nome do filho, em nome do espírito santo, estamos aqui..." e as lágrimas que me vieram naquele dia, quando começamos a cantar com você, voltam todas hoje, para simplesmente agradecer a oportunidade de tê-lo tido em minha vida, por todos esses 28 anos.

Sei que, de uns tempos pra cá, você começou a se organizar para ir embora, embora a gente não gostasse (e eu ainda não gosto) desse assunto. Mas também sei que te incomodava muito ir a enterros vazios, e, só por isso, para que você fique mais tranquilo, aviso nesta carta que foi um enterro muito cheio e repleto de amor.

Acredito, por fim, que Deus não te deixou sofrer nenhum minuto e que decidiu te levar para aliviar o seu sofrimento, porque, afinal de contas, Deus te quer sorrindo. E nós também...

Tenho certeza que você está sorrindo e descansando agora, ao lado da Vovó Magui e do Tio Gabriel.

Te amo muito e me despeço pedindo sua benção para continuar.

A benção, vô. 

Laura


28 comentários:

Debor@h disse...

Que declaração de amor mais linda ao seu avô. Tenho certeza de onde quer que ele esteja, está bem, feliz e sorrindo com seu amor. Bjs

disse...

Uma carta simplesmente brilhante, tocante, perfeita!! Quisera eu ter tido a presença de algum avô na vida. Avôs são fofos demais, o seu parece ter sido fofo além da conta!! Agradeça a Deus por ter tido a oporunidade de ter um avô até a vida adulta, poucos têm essa oportunidade!!

Cath Z Jones disse...

Que linda essa homenagem ao seu avô! Doce lembrança de uma vida vivida intensamente e com muito amor. Nós devemos deixar as pessoas assim, com palavras de afeto e que transpareçam a realidade.
Meus sentimentos! Sei o quanto é ruim perder alguém que gostamos tanto.
um beijo.

Alice Mânica disse...

Querida Laura,
Sinto muito pela sua perda e sou solidária a sua dor, que conheço de perto e recente, pois perdi meu avô de 91 anos em novembro passado.
Por outro lado, meu pai costuma dizer que "o melhor que se leva da vida é a vida que se leva". Pela sua carta, deu pra perceber o quanto o seu avô viveu intensamente e como foi um modelo para você e para outras pessoas que tiveram a oportunidade de conviver com ele.
Por mais que seja dolorosa a despedida, ela é de certa forma reconfortante quando pensamos que nossos amados partiram sem sofrer, ou partiram para dar fim a um sofrimento que não tinha mais necessidade de existir.
Se posso dar algum conselho, é o de manter vivas as memórias, as histórias, os risos e as broncas. Pois eles são o maior tesouro que nossos pais e avós podem nos deixar!
Beijos com carinho da sua fiel leitora,
Alice

Raquel disse...

Isso é que é declaração de amor!!! Não conheci seu avô, mas senti em suas palavras e no video o grande homem que ele foi!!!
Tenho certeza que Deus reservou um lugar especial para ele!!!

Fique bem!!!

Beijos

Anônimo disse...

Ai Laura!!! Chorei tanto...meu avô está indo também...aos pouquinhos...e ele é bem parecido com o seu. Engraçado como eu gostaria que os filhos que eu nem tive ainda conhecessem ele e pudessem viver tudo o que eu vivi e aprendi com ele.
Obrigada,
Isabella

Catiluva disse...

Laura, que homenagem linda! Onde quer que esteja, o teu avô deve estar super orgulhoso de ti! Emocionei-me muito a ler o texto porque eu nem sequer tive a chance de conhecer os meus avôs, então sei a sorte que tiveste! Um beijo enorme

Tiburciana disse...

Bonitona,
È só uma passagem para um lado muito melhor lá estará te esperando cheia de novidades e saudades.
O que importa é as lembraças realmente querida
bjokas

Petitinha disse...

Ô Laura que post lindo...terminei de ler chorando, lembrei-me muito do meu vozinho que se foi há um ano e meio...É uma homenagem linda ao seu Vô...mando a você todo meu carinho nesse momento...
BJOKS

Camilla disse...

Olhos cheios d'água...
Lindo!!!
Meus sentimentos...

Poliana disse...

Muito linda a carta para seu Avô. Chorei bastante. Vc escreve super bem.
Bjo
Poliana

Cris disse...

Bela despedida, Laura! Estou com os olhos marejados de tanta emoção...

Anônimo disse...

Que coisa mais linda, Bonitona...
Me emocionei com seu texto.
Muita força nessa hora, os vovôs realmente fazem muita falta...
Um abraço!
Aline

Palavras que falam por mim disse...

Olá, antes de mais nada, parabéns pelo blog!
E por acha-lo de muito bom gosto é que o/a convido a vir conhecer a proposta do meu Blog para você.

Aguado sua visita!

Forte abraço!

Rejane disse...

Oi, Laurinha. Até nisso afinidades... Acabei de perder meu avô, em 05/01... Acabo de passar em 11 meses pela perda do meu avô materno, avô paterno, tia mais próxima que eu tinha e uma senhora que era como se fosse minha avó... Muita dor para pouco tempo. Acho que o consolo único é a fé de que, hj, eles estejam mesmo sorrindo mais próximo de Deus e dos queridos mais que já se foram.

Muita força... a nós!
Bj gde

Camila Viegas disse...

Laurinha... sinto muito pela sua perda. Seu avô parece ter sido uma pessoa formidável, e me emocinei com o seu texto e vídeo.
Tenho certeza que ele está muito feliz, tendo recebido tanto amor e carinho.
Um beijo.

Cíntia Mara disse...

Linda carta, Laura. Sinto muito pela morte do seu avô, mas é bom que você tenha todas essas lembranças boas dele. Só tenho uma avó viva e os outros são apenas imagens vagas, distantes e borradas na minha mente.

Beijos

Camila Borges disse...

Nossa, Laura!
Linda carta! Estou chorando muito aqui.
beijos e fica com Deus!

Sil Peres disse...

Com todo meu carinho para vc e os meus sentimentos, apesar de não nos conhecer vc com seus texto acaba fazendo parte da minha vida. Então, recebe com todo meu coração o meu carinho.
Um beijinho no seu coração.

Taís disse...

Nossa, que lindo, Laura. Me emocionei ao ler esta carta. Tenha certeza de que, esteja aonde estiver, seu avô estará olhando por você e mutio orgulhoso de ter deixado este legado tão precioso.
Que Deus console a vc e sua família. Bjos

Kamila Dantas disse...

Sem nem ao menos conhecer a história, muito menos os personagens dela, as lágrimas caíram pelo rosto... sua carta com certeza será lida, pois não foi escrita num simples "papel", mas no coração e na alma.
Fique bem!
Bjs
Ka

Nathalie disse...

Esse foi o post mais lindo que você já fez!
Beijos Mil!

JUJUbildes disse...

Oi, Laura.
Que texto lindo e repleto de emoção... Vc conseguiu deixar meus olhos marejados, mesmo sem conhecer vc e sua família. Lembrei-me dos meus avós...
Deus recebeu o seu avôzinho com certeza. Ele agora está melhor do que nós...
Um beijo.

Júlia disse...

Estou chorando ainda com a sua carta... Lindíssima, tocante, emocionante!
Beijo grande,
Júlia

Dani disse...

Preciso confessar que estou com inveja de vc nesse momento.
Perdi minha avó em outubro passado, sempre fomos muito próximas e amigas e mesmo com tanta dor no coração e saudade que sinto nunca consegui transmitir em palavras tudo isso. Como gostaria de fazer isso!

Parabpens pelo depoimento, tenho certeza que seu avô sentiu tudo o que sentimos ao ler sua carta... sorte a dele ter uma neta como vc!

Meus sinceros sentimentos pela sua perda.

Lisavietra disse...

Amor sempre emociona.

Guga disse...

Quem muito amou jamais será esquecido. Esta é uma das frases célebres de Dona Lucy Bastos, bisavó da minha ex-namorada, que viveu com toda a vontade que tinha até os 99 anos de idade, e que pra mim traduz muito bem o legado que a gente deixa quando se despede. Por essas e outras que eu quero e vou viver até os 100 anos, pra continuar vivo na memória e no coração dos meus filhos, netos e bisnetos - tomara Deus eu tenha um ou mais com esta mesma sensibilidade que tu.
Gustavo Mativi

DehMartinss disse...

Carta linda, resume os amores que temos na vida e são simples e lindos! Chorei na frente do pc, me emocionando com suas palavras. Adoro seu blog e seu livro!