terça-feira, 21 de abril de 2009

Alma em branco

Bonitonas,

eu juro que não é desleixo, nem negligência...quero falar sobre muitas coisas e, quando chego aqui, diante da tela em branco, me dá uma dúvida danada...o que é que eu posso acrescentar na vida de vocês? Sonhos? Alegrias? Risadas?
A verdade é que, nos últimos dias, fui atropelada por uma avalanche de novidades que ainda não consegui digerir, nem entender. E enquanto eu não entendo, também não consigo explicar. Deu branco na alma, não sei bem todos os sentimentos que nela se misturam agora...
É como se, do nada, sem qualquer antecedente, meu coração resolvesse bater em aramaico antigo. Não sei se apertei alguma tecla errada do controle remoto da minha vida, mas estou agora lendo o manual de instruções e os botõezinhos de mim mesma (com as letras quase apagadas, já que fui fabricada há tantos anos) para ver como é que volto a funcionar no modo normal.
Alguém ai já ficou assim? Sentindo que ia ter que reiniciar à força? Que estava operando no modo de segurança, só com os arquivos básicos e a capacidade reduzida?
Quando fico assim, quando me dá branco na alma, gosto de ouvir músicas e ler livros e ver filmes. E fazer caminhadas olhando pra fora e vendo dentro de mim... Fico tentando achar, nas palavras dos outros, a tradução do que eu - ainda - não entendo.
Nessas viagens para outros pensamentos, o que sobressai é minha veia poética, tão esquecida normalmente. Ressuscito meus autores preferidos, meus poetas adormecidos nas prateleiras aqui de casa e da minha memória e fico assim...lentinha e sonhadora, lembrando a Laura que, a par de tudo o que tento ser, de fato sou.
Um cara que nem todo mundo entende, mas que ME entende demais é o Arnaldo Antunes... A voz dele é esquisita, meio seca, meio sem ritmo, mas me tranquiliza...e as letras...ah! as letras dele são muito especiais. Com uma delas, encerro o post de hoje, prometendo novidades organizadas e explicadinhas, assim que eu entender o que é que realmente está acontecendo...



5 comentários:

*****Aninha***** disse...

tbm gosto de arnaldo antunes...
ahh... todo mundo precisa de vez em quando de se deixar no modo "dormir", mas daqui a pouco tudo volta ao normal sem perder nenhuma informação...
fico esperando!!
bjãooo

Sara disse...

Laura,
Descobri o seu blog há pouco tempo,simplesmente não consegui parar. Mal cheguei da escola vim logo ler-te. Amei. É exactamente como me sinto, até os posts mais complexos, todos aqueles sentimentos que eu não sei expressar, expressas tão bem. Adorei que tenhas um livro! Vou já comprar uma fita do Bonfim!! ( Há quanto tempo andas com ela ? ) Que isto nunca se sabe... Uma questão, o teu livro vai estar á venda em Portugal? Amaria tê-lo e dar a uma amiga. Porque faz-nos sentir melhor, que não somos as únicas com expectativas, que queremos ( e merecemos ) algo melhor. Não nos podemos contentar ( e eu sei que tu tens namorado e tal mas estiveste encalhada sabes como é! ). E gostava que houvesse mais pessoas como tu, porque sim existem pessoas bonitas, simpáticas e encalhadas! Somos encalhadas porque acreditamos em nós ( aos pouquinhos ).
Desculpa a largueza do comentário ( mais um bocado dá para prefácio ) mas queria que soubesses que o teu blog ajuda a confiança.
Beijinhos,
Sara.

Raphaela disse...

Laura,
Acompanho seu blog há um tempo já e nunca postei nenhum comentário. Contudo, logo que você falou do Arnaldo e de sua poesia resolvi deixar registrado como seus textos são bacanas e de forma simples tocam qualquer mulher que assuma sem vergonha sua alma feminina. Parabéns pelos textos deliciosos!
Ahh.. ai vai um link de uma música do Arnaldo que adoro. Se não conhece vale a pena...
http://www.youtube.com/watch?v=WgZqm_htwSs
Um grande beijo,
Raphaela.

Ana Guimarães disse...

Arnaldo Antunes é caixinha de música com poesia. Era só isso que eu pensava enquanto o via cantar no primeiro show dele que vi. Melodias delicadas, suaves, tilintando como o som de uma caixinha de música. E as letras secas, com a voz grave, estática, poesia recitada. É o contraste que faz virar música, dá vontade de cantar junto, vontade de dançar, e às vezes, até de chorar. E tem coisas que são muito mais pra serem sentidas e vividas que entendidas.

Rafa Neia disse...

Oi Laura. Eu me sinto assim diariamente de hora marcada, todas as noites. É como se eu não tivesse utilidade nenhuma, estivesse apenas passando tempo aqui, sem fazer nada de bom ou produtivo. Com esses pensamentos, me enfiava no chocolate e engordei horrores. Agora consigo apenas me sentir nula e não tento me preencher com comida (as vezes não consigo, mas na maioria estou me controlando). É muito ruim. Tenho vontade de falar um monte de coisas mas simplesmente não sai nada. Parece que fico presa dentro de mim mesma, muito ruim...