domingo, 2 de novembro de 2008

A crise das poupanças

Que as bolsas estão em crise, todo mundo sabe. Que a crise pode chegar até nós, todo mundo também sabe.

Agora, vou contar a novidade: para mim, a crise já chegou. Estou na crise das poupanças.


Minha poupança de dinheiro está em crise porque não estou conseguindo poupar nada. Minhas atividades poupativas estão amplamente prejudicadas pelo meu absoluto descontrole diante das maquininhas de cartão de crédito. Eu simplesmente esqueço que a fatura um dia vai chegar. Adoro parcelar as coisas e depois odeio ver a lista de parcelas na fatura.


Não consegui economizar nada ultimamente. Nadica de nada. E ainda perdi um muito do meu (pouco) dinheirinho economizado, com essa crise louca das bolsas. Bem feito pra mim. Devia ter gastado tudo, em vez de ficar pensando no futuro e colocar meu dindin na bolsa, devia ter investido em bolsas dos meus sonhos: Louis Vitton, Gucci, Prada, Marc Jacobs, bolsas que eu entendo bem mais e que são bem chiques que a Bovespa.




Não bastasse as bolsas terem despencado, meu bumbum também despencou. Despencou e aumentou. Ou seja, minhas duas poupanças estão em crise, sendo que a poupança que eu queria que aumentasse, diminuiu, e a que eu queria que diminuísse, aumentou. Acho que bem mais que 50% no último ano.


A queda do bumbum traz uma crise de auto-estima quando me olho no espelho tem tido consequências dramáticas no meu ser.


Sei que não devo ser julgada pela minha forma física. Sou uma moça cheia de atributos: estudada, esclarecida, simpática, gentil, um pouquinho culta...mas que eu queria ter também uma barriga chapada e uma bunda durinha, isso eu queria, queria no fundo do meu ser, obviamente, porque não consigo (ainda, espero) ter força de vontade suficiente para amar a academia, as saladas e chás coloridos (verde, branco e, agora, vermelho) que potencializam o emagrecimento.


Eu sei que chique é ser inteligente, mas ser magra de bumbum empinadinho também é chiquérrimo. Todas as pessoas chiques que eu conheço são magras. Não anorexicamente magras, só magras, num padrão normal de magreza. Alcançável com disciplina, moderação, bom senso e ginástica. Receita que todas sabe e poucas seguem.


Fico pensando: tudo que estava no tal fundo de investimento, deveria ter sido investido nos meus próprios fundos, quero dizer, na minha poupança, ou, mais claramente, no meu bumbum mesmo. Devia ter pago um personal, comprado mil roupinhas de ginástica, aparelhos, massagem, creminhos. Depois dos 25, a gravidade começa a ser uma lei sem brechas.


Não bastasse o contexto de queda geral, o verão se aproxima. Época de gastar mais (Natal, viagem de fim de ano, presentes...) e de expor mais a figura (praia, clube, sol, sol, sol)... De tanta celulite, vou ficar parecendo uma casca de laranja gigante ao sol, se decidir expor a figura.



Andei pensando em comprar umas dez burcas, em diversas estampas, para usar por ai. Só que lembrei que estou sem dinheiro e a idéia teve que ser adiada. Indefinidamente.

Já estou em crise.

5 comentários:

Leticia disse...

Laura,

você tá cada dia mais engraçada. Tive que ir lá nos posts antigos pra poder acompanhar desde o inicio! Parabéns pelo bom humor!
abs

Caroline disse...

hahahaha...mto bom esse post!!!

Tenho adorado te visitar aqui...seus textos são mto engraçados!!!

Beijos

carolinesantana disse...

Ao contrário de ti, tenho investido bem nas minhas 2 poupanças. Tanto na de dinheiro (sendo pão-dura e me segurando pra não gastar à toa) quanto na de carne (nem tanta carne assim, porque nasci meio desfavorecida). Para a 2ª poupança, a receita é pilates. Com um mês de prática, já noto uma certa... altivez na dita-cuja!

dani bottrel disse...

Menina,,, como vc é engraçada e escreve super bem,,, ainda chego lá!!!!

Quel disse...

Hoje li uma matéria no site do Terra e falava de você, acabei entrando no seu blog para saber mais do livro e estou adorando seus posts. Parabens!!

beijinhuss