quinta-feira, 13 de novembro de 2008

N-A-M-O-R-A-R ou T-E-R-M-I-N-A-R

Na vida já aprendi a conviver com alguns mistérios: quem veio primeiro, o ovo ou a galinha? Quem é o Mr. M do Fantástico? Quem matou Odette Roitman?




Entretanto, um ainda me tira o sono: por que os homens não gostam de nomear os relacionamentos? Aliás, formulando melhor o enigma, por que os homens não começam oficialmente um namoro e também nunca (ou quase nunca) tomam a iniciativa de terminar?


Você conhece um moço bacana em abril. Ele te liga, vocês saem. Uma, duas, três, quatro vezes. Ainda em abril, ele começa a te ligar, "só pra ouvir a sua voz", "só pra dar um oi", "só pra falar que viu um filme e lembrou de você"... Manda mensagens bonitinhas.


Em maio, vocês começam a sair toda-sexta-e-todo-sábado. Ele te chama pra ir ao cinema dois domingos seguidos. Ele te pega depois do trabalho/faculdade na quarta-feira e vocês vão lanchar.


Quarta de uma semana e na segunda-feira da semana seguinte.


Ai, junho chega. A cidade se cobre de propagandas do dia dos namorados. O bonitão se dá conta de que a data mágica se aproxima - e constata que a data pede uma definição da parte dele. Ai, vocês saem no dia 10 (suponhamos, um domingo), ele te liga dia 11 (segunda), desaparece dia 12 ("o"dia), não dá notícias dia 13 e ressurge das cinzas dia 14, na porta do trabalho/faculdade. Com a cara mais normal do mundo.

Para a alma masculina (bem, a existência da alma masculina ainda não é uma certeza, visto que aparentemente 75% dos homens parecem não ter alma, ou ter uma alma infantil, subdesenvolvida), parece que só pelo fato de vocês não saírem no dia dos namorados já é suficiente para significar que vocês não estão NA-MO-RAN-DO. Parece que eles não querem falar.

É isso. Os homens não querem falar. É como se falar fizesse a coisa existir. Mal sabem eles que falar, ou não, não faz a menor diferença. O que conta são as atitudes.

Os homens não querem falar que o namoro começou. Eles querem cristalizar o estado de não namoro, mas de pegação-sem-compromisso-mas-com-fidelidade-da-sua-parte, já que você, a essa altura, já está envolvida o suficiente para não querer correr o risco de investir em outro e perder o que já está quase oficial. E ai, essa situação perdura até que alguém, amigo dele, parente seu, enfim, alguém, faça a inevitável pergunta: essa é sua namorada? É assim que 75,2% dos namoros começam.
Aliás, sugiro que, se estiver demorando demais para isso acontecer, você peça a um amigo para fazer a pergunta, o quanto antes.

Porém, outra situação bastante enigmática, ao mesmo tempo igual e oposta à primeira, é de quando o namoro está capenga, péssimo, indubitavelmente falido e o moço finge que não é com ele, não toma nenhuma atitude. Você liga dez vezes, ele só retorna duas horas depois. Esquece o cinema que vocês tinham combinado e vai jogar futebol. Está muito cansado para ir te ver e, subitamente, se anima todo para um chopp com os amigos. É isso. O moço termina, conta pro "eu-interior"dele(já que não se sabe se eles têm alma), e "esquece"de te avisar. É aquela velha metáfora: o namoro morreu e esqueceu de cair.
Numa metáfora meio sem classe, é como se alguém (ele, claro, porque você jamais faria isso em público) desse um pum bem fedorento e ficasse com cara de paisagem. É lógico que os dois sentem o cheiro, é claro que você sabe que não foi você, mas ele não se manifesta. Inclusive, ele fica tão impassível que você, com o tempo, passa a questionar sua sanidade: gente, será que fui eu que soltei essa arma química? Por que você, ingênua, crê na boa-fé do rapaz e pensa, não, ele não faria algo assim e não me pediria nem desculpas...


O pior é que o término dele vai ficando mais evidente a cada dia, as coisas "de solteiro" que ele faz são cada vez mais absurdas, começa a ser visto em festas de 15 anos, eventos de axé, trocar mensagens estranhas pelo celular.

Até que um dia, você constata de que não tem mais namorado, no sentido funcional da palavra. Percebe que prefere sair sem ele do que com ele, percebe que o peso morto que não conversa com ninguém nas festas da sua família (nem com você) está muito pesado. E acaba sendo forte o suficiente para fazer o que ele não faz: tomar as rédeas do namoro e dar nome aos bois (tomara que antes de alguém vir te dar nomes de chifres).


Você ensaia, ensaia, sofre pra terminar e quando, finalmente, consegue, constata que ele já sabia, que ele já havia terminado.
Dá raiva, tristeza, decepção. Dá vontade de bater naquela plasta que te olha e não fala nada. Nem argumenta, nem tenta te convencer de que você está errada, porque, no fundo, quem está terminando é ele, só que através da sua boca, o que te deixa mais furiosa e repetitiva: foi ele quem tornou o namoro péssimo, foi ele quem esfriou, foi ele que blá, blá, blá. Enfim, seja lá o que for que ele tenha feito - ou não - você TEM que terminar.
Depois que ele sair, você vai catar seu orgulho no chão, humildemente, ligar pras amigas, ficar uns dias na fossa, e se preparar, porque se ainda não deu certo, é porque ainda não chegou ao fim, quer dizer, chegou ao fim mais um namoro, mas esse fim é sua chance de dar chance a um novo começo, não é?

5 comentários:

Leticia disse...

Lauraaaaaaaaaaa!
To pansando mal!! faço das suas palavras as minhas! Muito bom meesmo!
O melhor de tudo é constatar no final que eles mereciam um muito obrigado por nos deixar livres para outras aventuras e homens mais maduros (eles devem existir em algum lugar!!!) srrsrs
bjs

Anônimo disse...

Já ouvi tanta mulher falando essas mesmas coisas que vou te contar um segredo. As mulheres fingem não saber que essas atitudes que você descreveu apenas estão dizendo (99% das vezes) que você não é uma mulher que valha a pena ele abrir mão das outras para dar exclusividade. É claro que às vezes pode ser outra coisa tbm. rsrs
Mas até que vc acertou numa coisa: se não é namoro ele não precisa ser fiel e não está traindo ninguém.
Mas que eu acho que você está namorando as pessoas erradas está.
Tem mulheres que não tem esse problema...mas acho que faz parte da fase (idade/maturidade).
Desculpa se falei alguma coisa que você não gostou...

Cassi disse...

Sobre esse texto tenho sim algo para dizer, pq já refleti muito sobre isso. Penso que ainda temos traços de Histeria( no sentido psicanalítico da coisa);somos desejosas de respostas e não queremos ficar no vácuo, esse vácuo pertence à maioria dos homens, que são obsessivos compulsivos e, como tais, conseguem canalizar toda sua energia para aquilo que dê prazer e assim ignorar o que/ quem traz problemas.
Dessa forma, a gente sofre muito, pq como histéricas, achamos que a parte pior está sempre conosco.Mas não é...é só a maneira de enxergar a coisa, o que não melhora nada na prática.
No fundo, sempre ajo da mesma maneira, mesmo querendo pensar ao contrário...é o útero...
Adorei seu blog. Inteligente.

solteiro convicto disse...

Nem sempre ficamos mudos: "Se é isso que você acha, melhor nós darmos um tempo então...". Mesmo que ela tente reverter a situação, como diz o D2, já é, não tem mais volta, ela externou a sua vontade e, sendíveis como somos, não queremos ir contra a sua vontade. Para todos os efeitos foi ELA quem terminou o que quer que seja. E nós ainda ganhamos uma cantada "minha namorada terminou comigo, bla, bla" (para esse fim era um namoro).

Pam disse...

Porque sempre tem um idiota pra estragar qualquer pensamento feminino!!!
Adorei o post.. ótimo!!!
bjs