quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Ex-namoradolândia

Se o relacionamento fosse perfeito, o ex nunca teria se tornado ex. Quem alcança essa condição sempre tem uma dose definitiva de merecimento. A partícula "ex" denuncia que algo não deu certo.

Ou ele te amou demais (ou de menos), ou te procurou demais (ou de menos), ou te respeitou demais (ou de menos). E não é pra mais (nem pra menos) que aquele ser estranho, misterioso e desconhecido, saiu da sua vida num legítimo acordo de Taubaté firmado entre as partes (alguém entrou com a bunda - tomara que ele - e alguém entrou com o pé - tomara que você).



Pois bem.

A teoria utópica (mais uma teoria) é de que todo ex deveria ser automaticamente teletransportado para as geleiras afastadas do pólo sul ou, melhor que isso, mandado de foguete para o distante planeta conhecido como Ex-Namoradolândia, um lugar ermo e deserto habitado apenas por ex-namorados do sexo masculino, desprovido de qualquer docilidade - e de qualquer mulher.

Fico pensando que a ex-namoradolândia deveria ter uma emissora de tv que só transmitisse filmes de guerra e notícias de esportes (sempre com a simpática voz de Galvão Bueno e as insuportáveis mesas redondas eternas, de preferência) e, para alguns poucos, filmes cults, muito cults e livros igualmente cults que não deixassem um minuto de relaxamento na vida. Ah, e Bloomberg, claro.


Um lugar onde não houvesse comédias românticas, novelas, chocolates e tpms, nem nada daquilo que compõe o universo de uma namorada...

De hora em hora, ecoariam por todo o planeta, trechos básicos usados por todo ex-namorado, naquele momento crucial em que decidem se tornar ex... Seriam ouvidos discursos como "eu não estou pronto para um relacionamento maduro agora", "se fosse para namorar era com você", "precisamos ter outras experiências para ter certeza de que é isso mesmo (no caso, nós mesmas) que nós (leia-se eles) queremos", "não vou ser o namorado que você merece" e blá, blá, blá...

Enfim, uma infinidade de papos furados que, não só não diminuem nossas tristezas ou reduzem nossas angústias e ansiedades, mas que também tem a poderosa função de nos manter "no balaio"... Você liga, na maior fossa, e ele te nunca te atende, ou, pior, fica mostrando pros amigos a tela do celular piscando seu nome, como se você fosse uma louca desesperada. Ai, entra no carro, saindo da balada, e te retorna as ligações, com voz de neném?

Amigas, sejam fortes: não atendam os telefonemas, saiam fora, de verdade.
De todos os tipos de ex, o que eu mais abomino é o que precisa de um tempo pra pensar (quanto tempo, meu Deus?)

Quer pensar? Então vá fazer um retiro com os monges castos do Tibet! Sete anos, no mínimo. E se, ao final dos pensamentos, ele chegar a conclusão de que não te quer? Você tem que esperar essa pensação toda?

Os amigos dele contam que ele te ama? Daquele jeito estranho de amar que inclui carnavais temporões, festas do peão de boiadeiro, calouradas, formaturas de 3º ano de mil e cinco colégios, de faculdade, e até bailes de debutantes, mesmo sendo ele mais de uma década mais velho que as aniversariantes? Não serve...

Claro, você tem uma amiga que já te falou isso tudo que eu estou escrevendo. Só que, o infeliz te liga sempre quando está bêbado, e vc interpreta isso como sendo a oportunidade que ele tem de esquecer o orgulho? Não se iluda, ele pode estar voltando de uma balada fracassada e estar te ligando para garantir o que ainda não conseguiu (uns amassos eficientes)...

Ele te liga chorando, diz se arrependeu amargamente de todas as bobagens que fez enquanto vocês estavam namorando e que te tiraram do sério a ponto de nunca mais querer ouvir o nome da figura? Emagreceu 20 quilos? Não dorme há três meses? Pois que coma bastante e tome soníferos, você não serve para engordar nem para adormecer ninguém!

Enigma que assola a humanidade: porque os homens pensariam nos caminhos da vida em meio a turbulência de intermináveis gandaias, se não conseguem pensar durante a tranquilidade e estabilidade de um namoro?

Infelizmente, sei que a maioria de nós identifica o problema quando acontece com as amigas, mas, quando chega a nossa vez... lá vem o auto-engano (comigo é diferente, eu "sinto" que ele está sofrendo"). Cuidado, seu sensor pode estar quebrado...

Ex-namorado só existe e a ex-namoradolândia só não existe porque todo mundo precisa de uma segunda chance e, se todos os ex fossem exilados, não encontraríamos mais nenhum homem maior de 18 anos na face da terra com quem pudessemos iniciar uma nova história. Por isso, deixe seu ex pra próxima, a fila tem mesmo que andar, pra ambas as partes. Se eventualmente, vocês se reencontrarem daqui a uns anos (anos, viu?), certamente serão duas pessoas completamente diferentes das que eram, e ai, dependendo, pode ser que venha a valer a pena.

Porém, mantenha seu radar ligado e faça sua própria ex-namoradolândia abranger um raio de pelo menos 10km do ar que vc respira. Sempre.

Na minha humilde opinião, quando visualizar o infeliz, imagine-o com a caveira de perigo no pescoço e com a placa: Mantenha distância.


5 comentários:

Barbara disse...

Adorei, adorei!
Eu já pensei muito sobre qual seria o melhor destino pros ex-namorados. Cheguei à conclusão de que a morte é meio exagerado, mas a China estaria longe o suficiente.
Mas a Ex-namoradolândia é uma solução fantástica! Só acho que vc foi muito boazinha com o conteúdo televisivo de lá. Acho que deveriam passar SÓ comédias românticas e Oprah, pra eles terem que lembrar da gente e serem muito
infelizes! Infelizes!

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Adoramos!

mariloyola disse...

SENSACIONAL

Principalmente a parte que aproveita o ensejo da ex namoradolândia para dar uma sacudida em todas as ex namoradas otárias que caem no papinho furado... e que todas nós já caímos... e pensamos que era diferente!!!

DEMAIS!

bonitão créu disse...

Se sacudir demais, vão acabar caindo de novo.

Adélia Nenevê disse...

Esses artigos não tem data de validade ! hehehehehehehe

Hj eu vivo um momento de ser a "ex" bem desse tipo q vc descreveu ! ahuahuhauhauhauhauhauha

bjinhos